desaprendi os bons tempos
Contos e Crônicas

Desaprendi Os Bons Tempos

Chego em tenra idade, onde desaprendo tudo aquilo que me foi moldado nos últimos tempos. Aqueles bons tempos. Nada em vão passou, mas existe um certo receio em não sentir a mesma emoção de outros tempos que hoje confesso nem mais conseguir mensurar em pensamentos.

Desaprendi a viver, não me agrada mais a breve ilusão de criar vínculos duradouros, sinto que as atitudes e aquilo que falo não causa qualquer impacto no outro.

Ignoram as palavras, como se tivesse pronunciado em outro idioma, talvez em código binário, que só máquinas podem processar. Digo algo ofensivo? Falo coisas das quais não deveria? Está no silêncio do outro a mesma repulsa que sinto com o desinteresse?

Quando novo fazer amigos era fácil, os mesmos apareciam com interesses iguais, se desenvolviam, tinham pouco conflito e então pareciam me acompanhar lado a lado. Hoje não, os vínculos não são os mesmos, é difícil fazer novos amigos, não há mais interesse pelo outro, apaga-se qualquer probabilidade de compatibilidade.

Desaprendi a fazer amigos, assim como alguém que andou a vida inteira de bicicleta e não sabe mais onde por os pés. Sinto-me excluído das relações que para outros parece ser tão rápida e prática, já quanto a mim, sinto diversas barreiras que me impedem de seguir adiante.

Seria este, um novo anti-social, moldado em traumas que afastam de amizades fugazes e não duradouras. Será nostalgia, um desejo intrínseco de retomar as mesmas facilidades que pareciam estar presentes no meu dia a dia? Quando foi então, que a chave mudou, que o fácil se tornou esquisito e o interesse em supérfluo.

Laços antigos não serão mais o mesmos, após tentar, observo que aquilo de antes morreu em memórias que se apagam com o tempo, perdem a cor e formam sombras que parecem querer assombrar meus pensamentos.

Desaprendi a ser quem era, ou estaria então cada dia mais exigente de forma a não aceitar meia amizade, fugaz momento de compartilhamento, fechado em um laço tão frágil que parte com a menor das rupturas.

Questiono se devo abraçar as sombras das memórias e buscar suas novas companheiras, ou ainda, abraçar o vazio e deixar que as mesmas fiquem presas no passado da estória.

Tenho inquietações de mais, covardia pra que?

Escritor. Especialista em Busca Orgânica & Marketing. Leitor apaixonado por fantasia e ficção científica.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.