as vezes quero quebrar tudo
Contos e Crônicas

As Vezes Apenas Quero Quebrar Tudo

Vocês já sentiram tanta raiva das coisas da vida, como um vento traiçoeira que surge para puxar suas roupas para longe?

Tem dias que sinto que o mundo vai cair, que o mundo vai se craquelar nos mais diversos fragmentos das maiores e menores das minhas insegurança.

Me sinto cansado do que faço, com receio constante de nunca me achar bom o bastante. De olhar minuto a minuto para algo que não pode ser concluído, com uma ânsia de preencher este vazio com outra tarefa que me pareça de certa forma prazerosa, ou ao menos, que me afaste de possibilidade de qualquer cobrança.

Quem é que cobra? Não há aquele entregar de boletos na porta e nem um servo do governo que deseja usurpar das minha minguas finanças. Quem dera. Este sou eu parado no canto, cantando Losing my Religion no megafone, na expectativa que meus gritos abafem os outros gritos da sala que é minha mente.

Voltando para a raiva, a angústia desta hóstia que engulo que é nada mais do que o parasita mercadológico que me dita que devo sempre obedecer, ser resiliente e nunca questionar. Seria então esse aspecto um novo tipo de tortura? Um tipo de escravidão compulsório da qual o mercado me obrigada para que assim possa sobreviver?

Onde está o poder de contestar, quando na verdade o maior medo do mercado é que não me cale? Que abaixe a cabeça e aceita da minha mais valia o seu único aspecto intrínseco. Devo vender meu corpo e alma, para que a carne do dinheiro prevaleça?

Porém sou inseguro, de forma que sempre estarei me questionando quando de fato escutarei que sou bom o bastante. Que posso na minha mediocridade mercadológica, ter certa parcela de importância. De escutar que o que há de bom, não precisa ser o bom do profeta do mercado, mas sim daquilo que de fato me faz feliz e não depende do outro.

Eu não acredito que culpar o outro é errado, quando este outro é um rato que usa do seu poder de fala para construir uma narrativa e mostrar trabalho para ganhar fama. Afinal, a traição é sua verdadeira flama.

Vá, diga que na verdade a culpa é minha, que deveria fazer o meu melhor, mudar a porcaria do mindset, como se pudesse dar um reset. Afinal, devo ser uma máquina com consciência, ou apenas com inteligência artificial?

É fácil acreditar que você tenha que mudar, quando na verdade é o outro que te afeta. Não dá para negar que alguém possa te afetar, não olhar para ver o que te faz mal e está bem em sua frente. Errado, olhe para o espelho, culpe a você mesmo e deixe que o outro faço seus atos, ele também precisa mudar de mindset.

Poderia listar mil livros de autoajuda e ilustrar outros mil com páginas injustas. A lavagem cerebral é o que eu vou mais temer, não apenas por sentir medo ao me entregar a ela, mas para mera consciência que nesta vida, tudo está perdido quando não se quer mais olhar a verdade.

Vou deixar o bilhete para mim mesmo, que na próxima vez que o surto vier, lembre que em meio a todo o caos, talvez eu ainda possa encontrar meios de perceber ainda o que me faz mal e assim, afastar para não me tornar mais um autômato na multidão.

Escritor. Especialista em Busca Orgânica & Marketing. Leitor apaixonado por fantasia e ficção científica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.